fbpx
Home Lore de World Of WarcraftOs Deuses Antigos N’Zoth, o deus antigo das profundezas

N’Zoth, o deus antigo das profundezas

Por Azion - Goldrinn
Publicado em 30/10/2019 - 13:44 Atualizado em 01/06/2020 - 10:59 0 comentário
Este é um artigo da série Lore dos Deuses Antigos que contém 1 artigos.
Série Lore dos Deuses Antigos

  • N’Zoth, o deus antigo das profundezas
  • “With every choice, you become more my servant.” —Sussurro de N’zoth durante a luta contra Uu’nat.

    N’Zoth um dos deuses antigos menos conhecidos em Warcraft. Especulava-se que ele estava preso no fundo do oceano em Azeroth. Pouco se ouviu falar de N’Zoth durante a jornada dos campeões em Azeroth. No entanto, começamos a encontrar relatos sobre ele em alguns inscritos.

    Seu nome se pronuncia: “Ne-Zoth” ou “Ni-Zoth“.

    O título oficial de N’Zoth em BFA é “O Corruptor” devido ao seu envolvimento com a corrupção da Rainha Azshara, Neltharion e o Pesadelo Esmeralda.

    Titulo Principal: O deus antigo das profundezas
    Raça: Deus antigo (Aberração)
    Afiliação: Deuses AntigosImpério Negro, Pesadelo Esmeralda
    Localização: Ny’alotha
    Status: Morto (Desde o 8.3)

    Títulos Conhecidos

    • Deus das Profundezas
    • (falado por Xal’atath)
    • Deus do Nada
      (falado por Azshara)
    • O Corruptor
    • Deus da loucura
    • O mal primordial
    • O Senhor da Loucura
    • Mordomo da Loucura
    • Rei da Loucura
    • Aquele que é loucura
    • Mestre da Loucura
    • Incarnação da Loucura
    • Mão da Loucura
    • Senhor das Trevas
    • Senhor sobre toda a loucura
    • Rei sobre toda a loucura
    • Patriarca de todas as loucuras

    Parentes

    • C’Thun (irmão)
    • Y’Shaarj (irmão)
    • Yogg-Saron (irmão)
    • Sha do medo (sobrinho)
    • Sha da raiva (sobrinho)
    • Sha do ódio (sobrinho)
    • Sha do orgulho (sobrinho)
    • Sha da dúvida (sobrinho)
    • Sha do Desespero (sobrinho)
    • Sha da Violência (sobrinho)

    O que é N’Zoth?

    N’Zoth é um dos quatro deuses antigos de Azeroth, ele é considerado o mais fraco dos deuses antigos, mas o único Deus antigo sobrevivente em Battle For Azeroth. Os deuses antigos são seres mitológicos dos tempos titanicos, eles foram aprisionados pelos titãs durante a ordenação de Azeroth.

    Não se tinha muita informação sobre N’Zoth até a Guerra de Sangue começar em BFA. Ele sempre foi muito esquivo e tudo sobre ele era um grande mistério, principalmente pois ele é o último deus antigo vivo. Até então, antes da guerra a maior parte dos habitantes de Azeroth se quer conhecia seu nome, e muito menos como ele era. Só se tinham restos de conhecimento antigo que alegavam a existência dele nas profundezas mais escuras do oceano por milênios sem fim.

    Existem rumores que N’Zoth ajudou seus outros irmãos a corromper o aspecto dragonico Neltharion, o transformando futuramente em Asa Da Morte. Ele também é responsável em transformar a Rainha Azshara e seus Altaneiros em Nagas, e também auxiliou na criação do Pesadelo Esmeralda. Durante muitos anos, o pouco que se tinha conhecido sobre ele consistia em meras especulações. E somente em BFA que N’Zoth se tornou a ameaça principal das raças de Azeroth, seus servos estavam se espalhando cada vez mais e se tornando cada vez mais agressivos. E graças aos planos de Azshara, as prisões de N’Zoth foram quebradas e o deus antigo foi liberto em Azeroth.

    N’Zoth e o Império Negro

    O Império Negro e o controle de cada deus antigo sob Azeroth

    Durante os tempos antigos existia um grande Império dos deuses antigos, N’Zoth controlava um vasta área na parte oriental de Azeroth. Grande parte dessa zona controlada por N’Zoth mais tarde, após a destruição da Nascente da Eternidade, se chamaria Reinos Do Leste.

    Durante a guerra dos titãs com o Império Negro, os titãs criaram exércitos a partir da crosta de Azeroth e eles tiveram a tarefa matar todos os deuses antigos. No entanto, após eles conseguirem derrotar Y’Shaarj, o panteão descobriu que os deuses antigos estavam tão enraizados em Azeroth que se eles fossem totalmente destruídos também causariam uma grande destruição na própria Azeroth, se não destruí-la completamente. Então para evitar que isso aconteça, eles decidiram criar prisões enormes para evitar que os deuses antigos não consigam continuar sua corrupção, sendo que o N’Zoth foi o primeiro a ser aprisionado.

    —Warcraft: Cronica Volume 1, página 42:

    Horrorizado com o rumo dos acontecimentos, o Panteão percebeu que não podia correr o risco de destruir os outros Deuses Antigos dessa maneira. Aquelas criaturas malignas haviam se entranhado tão profundamente no mundo, que arrancá-las destruiria o próprio Azeroth.

    O Panteão sabia que a única ação possível era aprisionar os outros deuses antigos onde estavam e impedir que suas forças malignas se manifestassem outra vez. Seria uma tarefa difícil, mas possível com a ajuda dos guardiões. Por ordem do Panteão, os forjados pelos titãs conceberam um plano para eliminar os últimos vestígios do Império das Trevas para sempre. Iriam combater cada um dos deuses antigos diretamente. Assim que as criaturas fossem abatidas, Arkhaedas iria criar  câmaras subterrâneas para contê-las. Mimiron então conceberia máquinas colossais para trancar os deuses antigos onde estavam. Quando esse trabalho estivesse concluído. Loken lançaria em cada prisão um encanto que neutralizaria o mal dos deuses antigos.

    Uma vez definidos os planos, os forjados pelos titãs começaram sua campanha. Grandes batalhas se desenrolaram pelo caminho à medida que os forjados pelos titã seguiam para o sudeste, rumo ao bastião de N’Zoth. Depois de esmagar o deus antigo, os guardiões usaram seus poderes para trancafiar a criatura em uma prisão subterrânea.

    Azeroth após a ordenação dos titã e as prisões de cada um dos deuses antigos

    N’Zoth e A Guerra Dos Antigos

    Quando a nascente da eternidade foi destruída na guerra dos antigos e separou Kalimdor, a Rainha Azshara foi abordada por um peixe estranho de olhos vermelhos. Esse peixe dizia a Azshara coisas como “desista de seu império” e “desista”, quando seu reino caiu em colapso.

    Azshara por mais que fosse uma feiticeira poderosa, até seus escudos já tinham sido consumidos, levando ela e sua corte para o mar. No entanto, Azshara não se afegou. O peixe revelou-se como N’Zoth, dizendo a Azshara que a observava por toda a vida. Ele Oferecia visões do Império Negro que N’Zoth dominava no passado, e ofereceu a salvação a Azshara, em troca de sua submissão se tornando sua serva.

    Azshara convenceu N’Zoth de que ela não seria uma serva, mas uma rainha para governar ao lado do Deus antigo. N’Zoth concordou com relutância no acordo, concedendo a Azshara mais poderes e transformando ela e seus seguidores em nagas.

    Confira o vídeo abaixo publicado pela Blizzard contando essa história.

    N’Zoth e o Pesadelo Esmeralda

    4500 anos antes da Primeira Guerra, o Arquidruida Fandral Guenelmo pegou galhos de Nordassil, a árvore do mundo, e os plantou sobre depósitos de saronita que começaram rapidamente a nascer em vários locais diferentes. A maior árvore cresceu sobre um enorme depósito de saronita na Serra Gris e recebeu o nome de Andrassil. Com o tempo, começaram a surgir sangrentas batalhas em Nortundria entre os Taunka e as Ninfas da Floresta, duas raças relativamente pacificas. A brutalidade das batalhas entre as duas raças levou os druidas do Círculo Cenariano a investigar.

    O que foi descoberto chocou o Círculo Cenariano. As raízes de Vordrassil atingiram profundamente o solo. Foram tão profundo que chegaram à antiga prisão do Deus Antigo Yogg-Saron, que conseguiu corromper a árvore-mundo, levando todas as criaturas próximas a loucura. A Árvore do Mundo não tinha as bênçãos dos Aspectos, então era conhecida por ser suscetível à corrupção. Isso levou o Círculo Cenariano à difícil decisão de destruir a árvore, renomeando seu coto caído Vordrassil.

    Embora Andrassil tivesse que ser destruída, tinha força suficiente para impedir o crescimento dos saronitas. No entanto, a corrupção de Yogg-Saron não parou por aí, pois ele usou as raízes de Andrassil para criar um portal para o Sonho Esmeralda, que poderia ser usado pelos outros Deuses Antigos para entrar no Sonho. Isso permitiu que os outros deuses antigos, incluindo N’Zoth, plantassem sementes que eventualmente crescessem e começassem o que é chamado de Pesadelo Esmeralda.

    N’Zoth no Cataclysm

    Permanecendo em sua prisão intocada pelos mortais. N’Zoth sabia que os heróis o encontrariam uma hora ou outra. Ele sabia que era mais fraco que C’Thun e Yogg-Saron, e aproveitou o tempo que os heróis estavam se recuperando para trabalhar em seus planos.

    Com os mortais ainda se recuperando da guerra contra o Lich King e os Aspectos sofrendo suas próprias perdas, N’Zoth sabia que era hora de agir e inaugurou a Hora do Crepúsculo. N’Zoth agiu corrompendo o dragão negro Deathwing, infundindo-o com um imenso poder que deixaria o antigo dragão com uma forma muito instável. Isso levou o Asa da Morte a lançar o Cataclismo, saindo de seu sono profundo no Geodomo e mudando Azeroth para sempre.

    N’Zoth também encontrou os Senhores Elementais, antigos aliados dos Deuses Antigos durante o Império Negro. Ragnaros e Al’Akir responderam a esse chamado, participando da guerra mais uma vez.

    Eventualmente, a Hora do Crepúsculo foi interrompida quando os heróis derrotaram os Senhores Elementais e o próprio Asa da Morte, acabando com o Cataclismo.

    N’Zoth em Legion

    A influência de N’Zoth é profunda no Pesadelo Esmeralda. Xavius, o senhor do pesadelo, tinha seu poder graças a N’Zoth. Il’gynoth foi a principal fonte de corrupção dentro do pesadelo, ele trazia diversas profecias, e após ser derrotado, dizia que estava voltando para Ny’alotha, a cidade dormecida que era mencionada por muitos outros deuses e artefatos como a Caixa-enigma de Yogg-SaronXal’atoh, Imagem Profanada de Uivo Sangrento.

    Sussurros de Il’gynoth: N’Zoth… Eu viajo… para Ny’alotha…
    Caixa-enigma de Yogg-Saron: Na terra de Ny’alotha só há sono…
    Caixa-enigma de Yogg-Saron: Na cidade adormecida de Ny’alotha andam apenas coisas loucas.
    Caixa-enigma de Yogg-Saron: Ny’alotha é uma cidade de velhos, terríveis, crimes inumeráveis…
    Xal’atoh, Imagem Profanada de Uivo Sangrento: Você descansará em Ny’alotha.

    Após derrotar Xavius ​​e supostamente limpar o Sonho Esmeralda da corrupção, há uma evidência de que N’Zoth ainda pode ter alguma influência sobre o leme. Nas profundezas de uma caverna no Sonho Esmeralda, há uma flor do vazio, o Remanente do Caos. O espírito de Ysera pode ser visto andando pela lagoa dentro do Sonho Esmeralda em direção à caverna, quase como se estivesse guiando os jogadores em direção à caverna, o que não é facilmente visto se você não souber onde está.

    O Remanescente do Vazio no Sonho Esmeralda.

    Os Sacerdotes de Sombra com a  Xal’atath, recebem um sussurro especial da adaga ao se aproximar da flor, mencionando que a última prisão foi enfraquecida:

    Xal’atath sussurra: Quase desapareceu completamente, como se nunca tivesse existido. Mas a fenda é profunda e vasta, e em algum lugar lá embaixo ela se agita. Algo mudou, a última prisão enfraquece. Nós devemos nos preparar.

    Xal’atath faz muitas referências a N’Zoth durante o raide do Pesadelo Esmeralda, o que implica que o ser preso lá é N’Zoth e sua influência está ficando mais forte mais uma vez.

    N’Zoth em BFA

    N’Zoth, embora não seja mencionado diretamente, tem grande presença durante a linha de missões do Vale Trovamare. A rainha Azshara, uma das mais notáveis ​​seguidoras de N’Zoth, é diretamente responsável por capturar a frota Kul Tirena, balançando as marés para o lado dela. Na masmorra do Santuário da Tempestade, o Lorde Trovamare, pode ser visto conversando com uma imagem da rainha Azshara, falando sobre a frota de Kul Tirena. O canto das tempestades é então diretamente corrompido por N’Zoth, transformando-se em um K’Thir, um dos seguidores mais poderosos de N’Zoth.

    O Caldeirão Das Tempestades

    Durante a missão de introdução a raide Caldeirão Das Tempestades , é descoberto que parte de N’Zoth está realmente dentro da raide. Os jogadores inconscientemente ajudam N’Zoth, trazendo três relíquias de poder para ele, além de libertar Xal’atath de sua adaga (Consequências inesperadas). Quando todas as três relíquias são trazidas para a raide, N’Zoth finalmente se revela.

    O jogador é então “premiado” com a Dádiva de N’Zoth, e agora te observa. (Torcer a faca)

    Após este encontro com N’Zoth, o jogador retorna ao irmão Pike ou à rainha Talanji para contar o que aconteceu. Pike e Talanji se oferecem para ajudar a remover o presente do jogador, e eles podem optar por remover o presente ou não. A limpeza do presente concede ao jogador o brinquedo Globo Ocular Irrequieto, que fornece uma versão cosmética do Presente do N’Zoth por 1 hora (Ele só tem olhos para você / Ele só tem olhos para você).

    No entanto, o jogador também pode optar por manter o presente. Enquanto o presente estiver ativo, os jogadores podem ver quem também escolheu mantê-lo, como uma pequena sociedade secreta. Se o jogador abandona as missões Ele só tem olhos para você / Ele só tem olhos para você, o jogador pode realmente ouvir N’Zoth sussurrando para eles, mostrando que o presente não é brincadeira. Jogadores que mantêm o presente podem ouvir constantemente sussurros em Shath’Yar, presumivelmente vindo do próprio N’Zoth.

    O Crisol das Tempestades é sem dúvidas um um teste preparado por N’Zoth, com o primeiro encontro com o chefe, o O Conluio Incansável, parabeniza você por derrotá-los. Canonicamente, a Horda derrota o tenente de N’Zoth, Uu’nat, primeiro, recebendo a Lâmina vazia do Império Negro e a entregando a Sylvanas, que vê um vislumbre de esperança para a Horda na lâmina sombria (A negra).

    Sylvana Correventos: A Aliança acredita que ao derrubar Rastakhan e dizimar a frota de Zandalari, eles nos quebraram. Que a Horda em breve desmoronará.
    Sylvana Correventos: Tolos. O rei-menino mentiu para si e para seu povo. Ele não tem a menor idéia do que realmente está enfrentando.
    Sylvana Correventos: A guerra é uma coisa viva. Ele se contorce, cresce, torcendo e girando até que sua forma final seja revelada.
    Sylvana Correventos: Esta guerra está prestes a mudar mais uma vez. E será essa lâmina que guiará o nosso caminho para a vitória.

    A Aliança finalmente consegue derrotar Uu’nat, sendo recebida com reações semelhantes dos lacaios de N’Zoth, mas ao invés disso encontra um eco da Lâmina do Império Negro. Ao relatar as más notícias ao rei Anduin, ele deduz corretamente que a Horda conseguiu se apoderar da Lâmina, que agora esta nas mãos de Sylvana (A lâmina desaparecida).

    Anduin Wrynn: Quando Sylvana Correventos se tornou chefe guerreira, eu sabia que não seríamos amigos… Mas não queria que fossemos inimigos. Depois veio o massacre em Arathi… E o incêndio de Teldrassil.
    Anduin Wrynn: É claro que ela não luta por Azeroth. Ela nem luta pela Horda. Ela faz guerra contra a própria vida.
    Anduin Wrynn: Estamos tão perto de acabar com este conflito e forjar uma paz duradoura. Mas se Sylvana descobrir alguma nova arma que permita que ela continue lutando…
    Anduin Wrynn: Não. Nós devemos descobrir o que ela está procurando … e parar qualquer loucura que ela queira desencadear sobre nós.

    Ascensão de Azshara

    A cinematic de Nazjatar mostra que Nathanos, que lidera as frotas remanescentes da Horda através dos mares, está sendo guiado pela Lâmina do Império Negro. Quando o mar se abre abaixo das frotas da Aliança e da Horda, Nathanos é o único que não mostra nenhuma surpresa, o que significa que ele provavelmente sabia o que aconteceria e isso faz parte dos planos de Sylvana.

    Azshara pode ser vista interagindo com uma sombra em forma de tentáculo, dizendo que seria libertada em breve. Enquanto ela zomba da sombra, falando sobre prisão e impotência, a sombra provavelmente é o próprio N’Zoth.

    Também em Ascensão De Azshara, durante as missões de Magni, descobre-se que o Sonho Esmeralda está corrompido mais uma vez, com o Remanescente do Vazio enraizando-se e crescendo em uma planta cada vez maior.

    O Palácio Eterno

    Na luta contra Azshara na raide Palácio Eterno, lutamos contra a rainha Azshara no Círculo de Estrelas, a prisão de N’Zoth. Durante a luta, Azshara provoca os jogadores como todos foram levados para lá sem querer por Magni, em suas tentativas de curar Azeroth. Na luta, Azshara usa os poderes do Coração de Azeroth para enfraquecer a prisão de N’Zoth.

    Azshara: Você vê a verdade agora, não vê, heróis? Cada movimento que você fez foi de acordo com a minha vontade.
    Azshara: Aquele anão acreditava que você poderia salvar Azeroth capacitando seu pequeno e brilhante Coração. O presente de um titã adormecido.
    Azshara: Sim, o coração de um titã era exatamente o que era necessário. Não para curar o mundo… Mas para destruir a prisão de um deus.
    Azshara: O ritual está quase completo. O Império Negro se ergue… E o mundo espera sua verdadeira rainha.

    Quando Azshara é finalmente derrotada, as correntes que mantêm N’Zoth preso finalmente desaparecem, e vemos N’Zoth se libertando de sua prisão. Quando N’Zoth foge do Círculo de Estrelas, ele reivindica o corpo de Azshara e, ameaçadoramente, diz aos jogadores que todos os olhos devem se abrir antes de desaparecer.

    Visões de N’Zoth

    Após a fuga de N’Zoth, Magni e Wrathion juntam forças para começar a procurar o paradeiro de N’Zoth. É descoberto que N’Zoth enviou seus servos para invadir a Forja da Origem, dentro dos Salões da Origem em Uldum. N’Zoth é capaz de seguir de perto os passos do jogador, chegando a provocá-los enquanto viajam para os Salões da Origem, a fim de recuperar a Forja.

    A capacidade de N’Zoth de ver o que o jogador está fazendo é também o que causa um ataque liderado por suas forças nos locais restaurados como Vale das Flores Eternas e nas Galerias Mogu’shan, enquanto os jogadores procuram os dois aliados em Pandaria e usam a Máquina de Nalak’sha para consertar a Forja da Origem. A influência de N’Zoth em ambas as áreas é tão grande que ele é capaz de atacar jogadores com Visões Horríveis e mudar a estética de uma área inteira.

    Dentro das áreas atacadas, os jogadores podem encontrar portais que levam a Ny’alotha, a Cidade Desperta. A sede do Império Negro serve como o raide final de Battle for Azeroth, onde os jogadores enfrentarão N’Zoth em um confronto pelo destino não apenas de Azeroth, mas do próprio universo.

    Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência. Se você continuar a navegar neste site, assumiremos que você está satisfeito com isso. Ok